BC continuará monitorando impacto de informações divulgadas, diz Ilan

Ajustar Comente Impressão

O Banco Central não descarta usar outras ferramentas, além dos leilões de swaps tradicionais, para manter a funcionalidade do mercado de câmbio, sinalizou à Reuters uma importante fonte da equipe econômica nesta sexta-feira.

E isso inclui fazer leilões de linha -de venda de dólares com compromisso de recompra no futuro- e até mesmo vender dólares no mercado à vista, utilizando recursos das reservas internacionais. O dólar à vista, que fecha mais cedo, teve ganho de 8,68%, para R$ 3,373.

O Banco Central informou ainda que a quantidade ofertada em cada leilão será de 40 mil contratos, e que as condições dos mesmos serão informadas ao mercado antes de cada leilão. Temer foi gravado por Joesley Batista, um dos donos da JBS, em uma conversa em que concorda com ações ilegais do empresário. Nesta sexta, a moeda americana era negociada ao redor de R$ 3,30, em queda de mais de 2%. Em comunicado, acrescentou: "O Banco Central permanece atento às condições de mercado e, sempre que julgar necessário, poderá realizar operações adicionais de swap".

Goldfajn falava sobre as medidas de reação da autoridade monetária aos impactos do envolvimento do presidente Michel Temer em escândalos de corrupção. A afirmação aconteceu pouco antes de Goldfajn se encontrar com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para analisar os efeitos nocivos do escândalo político deflagrado na quarta-feira (17).

O presidente do BC também destacou a ação conjunta com o Tesouro, que programou leilões extras de títulos públicos para garantir a estabilidade do mercado.

"Temos vários instrumentos e estamos trabalhando para acalmar o mercado, pra atravessar esse período, e é um trabalho contínuo, um trabalho sereno, um trabalho firme".

Ao mesmo tempo, Goldfajn retomou ideia já expressa na quinta pelo BC por meio de nota a jornalistas: a de que não há relação direta e mecânica entre as atuações a política monetária, que continuará focada nos seus objetivos tradicionais. A próxima reunião do comitê ocorre em 30 e 31 de maio.

Comentários