Marcelo diz que esteve previsto encontro, mas Temer cancelou

Ajustar Comente Impressão

Mas um problema de agenda do chefe de Estado do Brasil levou ao cancelamento do encontro, pedido por Temer.

"Sentimos, na forma acolhedora como o senhor prefeito [João Dória] nos recebeu, ele próprio disse 'O Brasil está convosco', como amanhã [domingo] sentiremos com o senhor governador do Estado de São Paulo, como sentiremos no Rio também com autoridades brasileiras".

Marcelo Rebelo de Sousa enalteceu aqueles que "deram vezes sem conta" para a nossa "independência e liberdade e as constroem com determinação cá dentro e lá fora". O chefe de Estado revela ter "pena", mas desvalorizou a questão: "O essencial é o encontro entre povos". Por outro lado, o Presidente não resistiu a deixar o recado: "Só dança quem está na roda, e quem está na roda, quer estar na roda".

Depois brincou dizendo que "há Presidentes que, em virtude de conjunturas que só eles conhecem e de problemas que só eles conhecem, têm mais disponibilidade que outros" e acrescentou que "os portugueses estão mal habituados".

"Estão habituados a um Presidente da República e a um primeiro-ministro que, por virtude da situação estável, tranquila do país, têm uma disponibilidade constante que não é habitual noutros Estados."

Nós, portugueses, admiramos o Brasil e orgulhamo-nos do Brasil como potência.

O chefe de Estado disse que Portugal acompanha "muito de perto" as comunidades "com uma palavra de incondicional solidariedade, em especial para as que mais sofrem ou desesperam", bem como se abre "àquelas e aqueles" que chegam ao país "de tantas paragens sonhando ficar" e ter uma vida melhor do que aquela que "lhes é negada nas suas terras natais".

No Teatro Municipal de São Paulo, e perante portugueses e luso - descendentes, uma das mensagens centrais do Presidente da República passou por dizer que Portugal e o Brasil estão "unidos pela alma" e que isso transcende os episódios da política ou da vida económica em cada um dos países.

Sem qualquer referência à atual conjuntura política brasileira, o Presidente da República concluiu. "É por causa do território espiritual que António Guterres é secretário-geral das Nações Unidas", acrescentou.

Com o programa oficial de hoje a terminar às 22:00, com fogo de artifício no Terreiro da Sé, Marcelo Rebelo de Sousa vai ainda inaugurar a exposição que assinala os 500 anos do Foral Manuelino do Porto, visitar a associação Somos Nós, participar na cerimónia de cumprimentos ao corpo diplomático e assistir ao Concerto de órgão comemorativo do Dia de Portugal.

Já o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, considerou que o discurso de hoje de Marcelo Rebelo de Sousa correspondeu à importância que o país dá a este dia, tanto os portugueses como as pessoas que representam o regime democrático.

"Portugal contou consigo, pode contar com Portugal", declarou o chefe de Estado, dirigindo-se a João Dória, na abertura da parte institucional das comemorações do 10 de Junho na maior cidade brasileira.

Pelo meio, foram destacadas as empresas nacionais com investimentos no Brasil, caso da Mota Engil, Sovena (azeite), Soares da Costa ou da Sogrape.

Comentários