Pedrogão Grande. Um bombeiro desaparecido, vários feridos no incêndio

Ajustar Comente Impressão

Dezasseis das pessoas que morreram encontravam-se dentro de viaturas que foram apanhadas pelas chamas. As outras três pessoas morreram por inalação de fumos, no concelho de Figueiró dos Vinhos, acrescentou o secretário de Estado, em declarações aos jornalistas em Pedrógão Grande. Dos 14 feridos civis, dez estão em estado grave e cinco dos seis bombeiros foram retirados do terreno, para serem assistidos.

O IC 8 encontra-se cortado entre a zona industrial de Pedrógão Grande e o Outão.

Por outro lado, uma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria, disse à Lusa que o incêndio naquele concelho do distrito de Leiria lavra numa zona florestal e ainda "não há qualquer indicação de casas em perigo". "É impossível acudirmos a todas as aldeias. Estamos a todo o custo a ver se nos chegam bombeiros de Lisboa", realçou o autarca, visivelmente abalado, afirmando que a situação é "bastante dramática".

"Não tenho ideia de ter uma situação como esta em Pedrógão Grande. O fogo esteve às portas da vila, a 50 metros", disse, frisando que na localidade temeu-se o pior.

"Estou muito assustada e não me recordo de algum incêndio semelhante nos últimos 10 anos", disse à Lusa Otília, de 68 anos, moradora em Atalaia Fundeira.

"Temos muito medo que o fogo venha por aí abaixo e nos atinja", disse também Palmira Coelho, antes de se refugiar em casa para proteger os seus bens. Pelas 15h20, de acordo com o site da Autoridade Nacional de Protecção Civil, 82 operacionais combatiam um dos incêndios, auxiliados por 26 viaturas. Perto da uma da manhã abraçou emocionado os responsáveis da Proteção Civil e deu "uma palavra de conforto e apoio a todos aqueles que estão a fazer o melhor que podem fazer, fizeram e vão fazer" para combater este incêndio de enormes proporções.

Comentários