80 bombeiros espanhóis chegam hoje a Góis — Incêndios

Ajustar Comente Impressão

Lurdes Castanheira falou numa "situação grave" que "pode passar a ser gravíssima", dadas as dificuldades no combate às chamas. "Aliás, vê-se pelas estradas, que a quantidade de folhas e de carumas que há por ali fora se deve ao forte vento", relatou à agência Lusa a presidente da Câmara de Góis, Lurdes Castanheira.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano Sousa, já tinha dito aos jornalistas que estavam a ser feitos contactos com Marrocos para que fossem disponibilizados os meios aéreos possíveis.

Fonte oficial do Ministério da Administração Interna (MAI) disse à Lusa que 80 bombeiros espanhóis chegam hoje a Portugal para ajudar no combate deste incêndio.

No caso de incêndio, os corpos tendem a ficar fortemente mutilados. No caso concreto das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, alguns poderão estar "bastante carbonizados", o que "destrói completamente as feições e reduz o volume corporal dos cadáveres", explicou.

"Atenta aos recentes acontecimentos que têm assolado o distrito de Coimbra, a Comissão Distrital de Proteção Civil de Coimbra, na qualidade de órgão de coordenação em matéria de proteção civil", tomou esta decisão durante uma reunião extraordinária, refere, em comunicado.

"Góis é uma situação preocupante, o incêndio está a lavrar com grande intensidade e a ser objeto de análise muito particular", afirmou no segundo balanço do dia feito no posto de comando instalado em Avelar, no concelho de Ansião, em Leiria.

Os bombeiros estão também empenhados em controlar fogos que eclodiram em concelhos vizinhos, particularmente em Góis, onde uma aldeia teve de ser evacuada no início do dia, devido à proximidade de uma frente de fogo.

O fogo começou em Escalos Fundeiros, e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria. No total há então perto de 2000 operacionais nestes dois incêndios, que já se tocaram, um número superior ao que se verificava no fim-de-semana.

A responsável adiantou que a Câmara de Góis disponibiliza cerca de 70 camas para desalojados no edifício da residência de estudantes. "As linhas de fogo estão mais reduzidas", assinalou.

19h00 - Em conferência de imprensa, a Proteção Civil garante que estão no terreno 1207 operacionais, apoiados por 405 viaturas e 13 meios aéreos, de 95 entidades. 11 localidades foram evacuadas e estão em curso outras 4 evacuações.

Já o incêndio que começou em Avelares (Góis) mobiliza 765 operacionais. Um lar da terceira idade que pertence à Cáritas Diocesana de Coimbra foi também evacuado.

"Para já, não há outras, não há necessidade [de evacuar mais aldeias]", acrescentou.

Comentários