Ultimato ao Catar é contrário à lei internacional — Turquia

Ajustar Comente Impressão

O Qatar deve ainda entregar todos os indivíduos procurados por terrorismo pelos quatro países, cortar o financiamento de qualquer movimento extremista designado como grupo terrorista pelos Estados Unidos e fornecer informações pormenorizadas sobre membros da oposição financiados por Doha, nomeadamente na Arábia Saudita.

A Arábia Saudita e seus aliados no Golfo Pérsico listaram nesta sexta-feira, 23, uma lista de 13 exigências ao Catar para a retirada do embargo diplomático imposto ao país.

Tillerson tentou acalmar os ânimos em uma declaração neste domingo, depois dias de ligações com Riad e Doha. Tendo sido a Turquia um dos primeiros países a dar a mão ao Qatar logo no início da guerra diplomática. Uma diminuição da retórica também ajudaria a aliviar a tensão.

"O Qatar está analisando o documento, as exigências e os fundamentos destas exigências, a fim de enviar ao Kuwait para dar uma resposta adequada ao pedido de documentos".

Entre elas estão o fechamento da emissora de televisão Al Jazeera e de uma base militar da Turquia no Catar, além da redução das relações diplomáticas do pequeno país árabe com o Irã. Além disso, em outra demanda, os países pedem que as agências de notícias que o Qatar patrocina direta e indiretamente também sejam fechadas, como a Arabi21, Rassd, Al Araby al-Jadeed e a Middle East Eye.

Exigem também o encerramento da base militar turca no Qatar.

Já em declarações citadas pela estação pública britânica BBC, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Qatar rejeitou a lista de exigências, afirmando que não são nem razoáveis nem realistas.

De acordo com a lista, Doha deve recusar a naturalização de cidadãos daqueles quatro países e expulsar os que se encontram no Catar.

A lista foi apresentada ontem pela Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos e Bahrein. Além disso, o país seria monitorado anualmente para que seja cumprido todas as cláusulas.

Os quatros governos árabes entregaram a sua lista de demandas na quinta-feira.

O Qatar é ainda instado a extraditar os opositores aos regimes dos seus três vizinhos e do Egito, e encerrar os 'media' que os apoiam, segundo a versão dos pedidos que circulam nas redes sociais.

Comentários