Equipe econômica do governo estuda alíquota maior do Imposto de Renda

Ajustar Comente Impressão

O governador Marconi Perillo (PSDB) sugeriu à equipe econômica do presidente Michel Temer (PMDB) para que ele crie um novo pacote de aumento de impostos, para reforçar o caixa em, pelo menos, R$ 35,5 bilhões.

As medidas que estão sendo estudadas vão desde a criação de uma nova alíquota de Imposto de Renda para as pessoas físicas, que poderia alcançar 35%, a cobrança do IR sobre lucros e dividendos e a revisão de desonerações. Com o fim da isenção do Imposto de Renda sobre as LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) e LCI (Letra de Crédito Imobiliário), conforme informou o Estadão/Broadcast na semana passada, serão injetados outros R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões na arrecadação. Se essa alíquota for coloca em prática, ela seria capaz de reverter aos cofres públicos R$ 4 bilhões a mais em arrecadação nessa parcela da população. Além disso, investidores estrangeiros, que têm isenção para investir no mercado financeiro, podem perder essa vantagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao ser questionado, na segunda-feira (7/8), sobre a possibilidade de aumentar impostos, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, respondeu de forma vaga. Uma das propostas que encontrará maior resistência é a da distribuição de dividendos, uma vez que envolve diversos grupos empresários que não vão querer dividir mais uma pedaço de sua receita com o governo.

"[Após o período de recuperação] aí poderemos avaliar qual é o resultado e decidir onde e quando haverá ou não uma mudança da meta".

Para tentar fechar a meta fiscal deste ano, que tem deficit primário previsto de R$ 139 bilhões, o governo aumento os impostos - PIS/Cofins - dos combustíveis.

Comentários