Reacendimento em Cantanhede corta A14 e ameaça populações

Ajustar Comente Impressão

Patrícia Gaspar falava nos incêndios da Mealhada, de Cantanhede, o de Alvaiázere e de Ferreira do Zêzere.

No segundo "briefing" do dia da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), a adjunta nacional de operações, Patrícia Gaspar, explicou que a tarde de hoje está a dar "muito trabalho" e que às 18:30 foi activado o Plano de Emergência Distrital de Coimbra, onde também foram activados os planos municipais de emergência de Miranda do Corvo, Cantanhede e Coimbra.

O sistema de comunicações de emergência, o SIRESP, registou "falhas pontuais", mas sem afetar as operações, disse.

"Estão mobilizados todos os meios disponíveis", constatou Manuel Machado, acrescentando que são necessários "todos os cuidados", aguardando pelo evoluir da situação com o cair da noite. O fogo no distrito de Leiria envolve 243 operacionais.

250 pessoas evacuadas a meio de casamentoUma quinta que acolhe eventos, na localidade de Lamarosa, concelho de Coimbra, foi evacuada "por uma questão de precaução", tendo sido retiradas cerca de 250 pessoas que estavam numa festa de casamento, disse à agência Lusa Patrícia Gaspar.

De acordo com Célia Marques, o incêndio obrigou ao corte da autoestrada número 13 (A13), havendo "muito fumo" naquela via e há uma "zona a arder" junto ao nó de Cabaços. "Está medonho", disse à agência Lusa o presidente do município, Jacinto Lopes, referindo que "há casas em risco".

Os dois incêndios florestais que ao início da tarde de sexta-feira deflagraram no concelho de Cantanhede, distrito de Coimbra, e que tinham sido dados como dominados ao final da manhã de sábado, registaram um reacendimento.

A auto-estrada ficou cortada nos dois sentidos.

Comentários