Marinha envia cerca de 100 militares para ajudar no combate aos fogos

Ajustar Comente Impressão

Os esforços da Proteção Civil estão na tarde deste sábado concentrados nos distritos de Coimbra, Santarém e Aveiro, onde se reativaram incêndios que durante a manhã tinham sido dominados, "fruto das condições meteorológicas no terreno".

"A nossa preocupação é que o fogo, face ao vento, inverta a direção e regresse para a zona de Cabaços, como aconteceu há cerca de dez anos", explicou a autarca, sublinhando que estão a ser criados aceiros para garantir que as chamas não transitam "para esse lado". E ainda um terceiro incêndio em Pombal, distrito de Leiria.

A presidente da Câmara de Alvaiázere, Célia Marques, disse à agência Lusa que a situação na sua zona "está dominada", mas que uma das quatro frentes activas estão a deslocar-se para a localidade vizinha de Ferreira do Zézere, distrito de Santarém, onde uma aldeia já foi evacuada.

Às 11:30, um fogo lavrava em Cinfães, distrito de Viseu, "sem oferecer perigo", mas em local de difícil acesso, e outro em Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga, sendo que cada um dos incêndios mobilizava menos de 100 operacionais, referiu o comandante da ANPC. No teatro de operações estão 369 operacionais apoiados por 115 veículos e cinco meios aéreos.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, deslocou-se entretanto ao comando da Proteção Civil, em Carnaxide, para se "inteirar do ponto da situação dos incêndios a nível nacional".

Quase 600 militares e 116 viaturas estão no terreno a ajudar no combate aos incêndios, em missões de apoio à Protecção Civil, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e diversos municípios, anunciou o Exército.

O incêndio em Montemor-o-Velho, distrito de Coimbra, também dado como dominado ao início da madrugada, entrou, esta madrugada, já em fase de rescaldo.

Comentários