Ex-procurador quer ser ouvido antes de decisão por prisão

Ajustar Comente Impressão

Segundo o MPF, um dos áudios, aparentemente gravado em 17 de março deste ano, traz uma conversa entre os colaboradores Joesley Batista e Ricardo Saud e que, mesmo que partes do diálogo "tenham apenas elucubrações, sem qualquer respaldo fático, inclusive envolvendo o Supremo Tribunal Federal e a própria Procuradoria-Geral da República, há elementos que necessitam ser esclarecidos", declarou.

Aos procuradores, Joesley confirmou que conheceu Miller em data anterior à que ele foi exonerado da PGR. Amanhã (8), ela irá ouvir Marcelo Miller.

O ex-procurador pediu o desligamento do Ministério Público Federal no dia 23 de fevereiro, mas a saída foi oficializada em 5 de abril. O nome do procurador regional, designado por Janot, não foi revelado.

Na gravação, Joesley instiga Saud a contar o que sabe do submundo da corrupção. "Dessa forma, em prol do contraditório e da ampla defesa, requer-se a intimação dos peticionários, bem como a cópia do requerimento e das peças necessárias, para manifestação, consoante o texto legal mencionados", pede a defesa de Joesley Batista e Ricardo Saud, afirmando que os clientes estão dispostos a cumprir a lei. No total, permaneceram quase dez horas no local. Na gravação é sugerido que Miller foi "captado" pelos empresários para facilitar o acordo que os livrou da cadeia.

Joesley alega que foi apresentado a Miller por Francisco de Assis e Silva, advogado da empresa e também delator, porque estava à procura de alguém para a área de anticorrupção da empresa. Em nota, a defesa do ex-procurador também informou que disponibilizou o passaporte de Marcello Miller.

De acordo com o site do G1, se Fachin autorizar as prisões, o acordo de delação premiada entre a JBS e a Procuradoria-Geral da República deverá ser rescindido, já que o termo de delação "prevê que o acordo perderá efeito se, por exemplo, o colaborador mentiu ou omitiu, se sonegou ou destruiu provas".

O procedimento de revisão do acordo é conduzido pela subprocuradora Cláudia Marques.

Comentários