'Facínoras roubam a verdade', reage Temer sobre acusações

Ajustar Comente Impressão

O texto divulgado nesta terça-feira (12), também afirma que se tenta condenar pessoas sem sequer ouvi-las e sem verificar a existência de provas reais.

Uma investigação da polícia federal brasileira concluída na última segunda-feira apontou que há indícios de que o Presidente e outros integrantes da cúpula do PMDB mantinham uma estrutura organizacional com o objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.

A menção às "histórias narradas por criminosos" remete a acusações feitas pelo empresário Joesley Batista, da JBS, e pelo lobista Lúcio Funaro em seus acordos de delação premiada.

Temer é suspeito de fazer parte de uma organização criminosa envolvendo o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral) e os ex-ministros Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Henrique Eduardo Alves (Turismo).

A nota afirma que "garantias individuais estão sendo violentadas, diuturnamente" e registra que "facínoras roubam do país a verdade" e "bandidos constroem versões 'por ouvir dizer' a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes". "Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas", ressalta a nota.

No comunicado a presidência do Brasil acusa ainda os colaboradores das investigações sobre corrupção que mencionam Michel Temer de mentir.

O comunicado ainda critica a criminalização de ações que eram legais, como o financiamento empresarial das campanhas políticas. O tema também deve integrar os debates entre lideranças sindicais, políticas e empresariais.

Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), foi o primeiro a falar e convocou representantes de empresários e trabalhadores de diferentes setores, como saúde, tecnologia, agronegócio e serviços para juntos apresentarem uma pauta com propostas de curto prazo que acelerem o processo de recuperação do crescimento.

Comentários