IBGE: falta de chuvas prejudica a produção de milho no Piauí

Ajustar Comente Impressão

A safra brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar 2017 com um crescimento de 30,4% em relação ao ano passado.

O milho de 2ª safra também apresentou queda de 1,2% na produção em relação aos dados levantados em julho, totalizando 67,4 milhões de toneladas. Na colheita de soja a produção teve uma estimativa 0,1% menor em agosto na comparação com julho, segundo o IBGE. A produção da 1ª safra, estimada em 1,6 milhão de toneladas, teve uma redução de 1,6% frente a julho devido, principalmente, à reavaliação das estimativas do Nordeste, onde se registrou uma queda de 24,6 mil toneladas (ou 5,5% frente a julho).

Segundo o IBGE, as estimativas apontam para crescimento da área plantada de soja (2,3%), milho (18,1%) e arroz (4%) frente a 2016. Para o milho, que deverá ter aumento de 54,7% na produção, também é esperado resultado recorde, de 98,4 milhões de toneladas.

Nesta avaliação para 2017, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 25,8%, seguido pelo Paraná (17,5%) e Rio Grande do Sul (15,2%), que, somados, representaram 58,5% do total nacional previsto.

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de agosto trouxe revisões para baixo, principalmente para as culturas de inverno, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Contudo, esta queda foi amenizada pela expectativa de aumento no rendimento médio em 0,5%, que deve totalizar 5.555 kg/ha.

Na direção oposta, houve melhora no último mês nas previsões para o feijão 3ª safra (5,4%), café conilon (3,9%), cebola (1,1%) e café arábica (0,4%).

A 2ª safra de feijão foi estimada com uma redução de 0,5% frente a julho, acompanhando as quedas de 0,1% no rendimento médio e de 0,4% na área a ser colhida.

Comentários