Coreia do Norte lançou novo míssil que sobrevoou o território japonês

Ajustar Comente Impressão

As sanções, aprovadas por unanimidade, vieram após o regime norte-coreano ter realizado seu sexto e maior teste nuclear, no dia 3. Foram 17 minutos de voo e felizmente, foi só mais um susto para os japoneses, mas a situação agora está ainda mais tensa por lá.

"O disparo do míssil da Coreia do Norte é uma nova violação das resoluções das Nações Unidas" que impedem a Coreia do Norte de aperfeiçoar armamento, escreveu Stoltenberg numa mensagem difundida pela rede social Twitter.

"O exército e o povo da Coreia do Norte pedem unanimemente que os ianques, os principais culpados que prepararam a 'resolução de sanções', sejam linchados como merecem os cães raivosos", afirma um comunicado publicado pela agência oficial KCNA."É hora de acabar com os agressores imperialistas americanos".

O porta-voz do Governo japonês, Yoshihide Suga, diz ainda que o Japão vai "responder de forma adequada, juntamente com os Estados Unidos, a Coreia do Sul e outros países interessados", enquanto o secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson incentiva a China e a Rússia, próximas de Pyongyang, a aplicarem "medidas diretas" sobre o regime de Kim Jong-un.

Mais cedo, o governo japonês havia informado a ativação do sistema de emergência J-Alert em várias regiões do norte do arquipélago.

"Está passando um míssil, está passando um míssil, provavelmente sobre Hokkaido em direção ao Pacífico".

Depois de ter ameaçado atacar os EUA com "fúria e fogo", o regime de Kim Jong-un estendeu, na quinta-feira, a sua ameaça nuclear ao Japão e à Coreia do Sul. De acordo com Onodera, a Coreia do Norte continuará realizando "ações similares" ao teste desta quinta por causa das novas sanções a Pyongyang impostas pela ONU na segunda (11).

"O Japão nunca tolerará os perigosos atos de provocação da Coreia do Norte que ameaçam a paz no mundo", afirmou o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

A NATO também pediu uma "resposta global" à Coreia do Norte. Militares sul-coreanos e dos EUA estão analisando detalhes do lançamento, o 15º do tipo este ano e o primeiro após o teste nuclear no início deste mês.

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Comentários