Monitor do PIB-FGV aponta continuidade da recuperação em julho

Ajustar Comente Impressão

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, teve crescimento de 0,6% no trimestre encerrado em julho deste ano, na comparação com o trimestre encerrado em abril.

Considerando-se apenas o mês de julho, houve altas de 0,1% na comparação com o mês anterior e de 1,3% na comparação com julho de 2016. "Estas taxas apontam claramente para o fim da recessão", afirma Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

O gráfico abaixo ajuda a entender a opinião do especialista. Na comparação com igual mês de 2016, o PIB avançou 1,3%. Os destaques foram os desempenhos positivos da agropecuária (+11,7%), extrativa mineral (+4,5%), indústria de transformação (+1,6%, primeiro resultado positivo desde o primeiro trimestre de 2014), comércio (+3%), transportes (+2,4%), e outros serviços (+1,5%).

O Monitor da FGV tenta seguir mensalmente o cálculo feito pelo IBGE, que faz o levantamento trimestral oficial das contas nacionais.

Em termos monetários, o PIB acumulado em 2017 até o mês de julho, em valores correntes, alcançou a cifra aproximada de R$ 3,778 trilhões. Chama a atenção o desempenho negativo dos bens de capital (-43,8%) e o desempenho positivo de bens de consumo semiduráveis (+53,8%). A menor taxa foi a de serviços (+0,2%), que cresceu após 26 trimestres móveis consecutivos de queda. O desempenho do componente de máquinas e equipamentos voltou ao patamar positivo (+3%), contribuindo com 1,1p.p. para a melhora do indicador. A formação bruta de capital fixo (FBCF), em contrapartida, retraiu 4,5%, assim como a construção, que caiu 9,7%, com menos 5 pontos percentuais para o FBCF. Já a importação de bens intermediários subiu 10,9%, e de bens de consumo não duráveis, 10,1%.

São os comprados de outra empresa para o processo de produção, como uma bobina de aço adquirida de uma siderúrgica para a fabricação de um automóvel.

Os semi-duráveis podem ser considerados os calçados e as roupas, que vão se desgastando aos poucos.

Comentários