Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow relatam assédio de Harvey Weinstein

Ajustar Comente Impressão

As denúncias ocorrem após a publicação de uma matéria no The New York Times, segundo a qual Weinstein teria assediado jovens que pretendiam ingressar na indústria do cinema.

No mesmo artigo, quatro outras mulheres dizem que Weinstein lhes tocou sem consentimento de uma maneira "que poderia ser classificada como assédio". "Todas as acusações de estupro foram negadas pelo Sr". "Eu era uma criança, tinha acabado de assinar o contrato e fiquei petrificada", disse Gwyneth. E a lista inclui atrizes muito famosas, como Angelina Jolie ("Malévola") e Gwyneth Paltrow ("Homem de Ferro"), conforme revelou novo artigo publicado nesta terça (10/10) pelo próprio Times. "Como resultado, escolhi jamais trabalhar com ele novamente e avisei outras mulheres quando trabalhavam", contou a atriz em entrevista ao jornal "The New York Times".

Jolie contou que foi assediada pelo produtor em um quadro de hotel durante a divulgação do filme "Corações Apaixonados", em 1999. O New York Post' conta uma história em que Emma Thompson interviu após ter conhecimento que durante as filmagens de Reviver o Passado em Brideshead (2008), Harvey apelidou Hayley Atwell (mais conhecida agora por Capitão América) de "porca gorda", acrescentando que se esta quisesse arranjar trabalho tinha de "emagrecer". Weinstein, segundo ela, colocou a mão nela e sugeriu que eles fossem ao quarto para fazer massagens. Uma delas também disse ter sido forçada a realizar sexo vaginal. "Weinstein, que confirmou nunca ter forçado mulheres a fazer sexo com ele", disse Sallie Hofmeister, porta-voz do produtor. As desculpas não foram suficientes para muitos internautas que sugeriram o boicote a seus produtos. "Não queria lutar", relatou. Já Milo Ventimiglia defende que "os homens devem assumir as suas responsabilidades", enquanto Kevin Smith mostra-se profundamente "envergonhado": "Ele [Harvey] financiou os primeiros 14 anos da minha carreira - e agora sei que enquanto eu ia lucrando, outros sentiam uma enorme dor".

Outra mulher, que pediu para não ser identificada, afirmou à revista que Weinstein a coagiu em um hotel.

Quanto às medidas que a Academia tomará em resposta ao comportamento de Harvey Weinstein - já galardoado com uma estatueta dourada de melhor filme ("A Paixão de Shakespeare", 1998) - ambos os responsáveis salientam que "é prematuro fazer mais afirmações neste momento".

Produtor consagrado por campanhas avassaladoras no Oscar, Harvey Weinstein está sendo acusado de dezenas de casos de abuso sexual em Hollywood.

O silêncio da ex-candidata à Presidência, assim como o do ex-presidente e colega de partido Barack Obama, havia sido alvo de críticas por parte da direita americana, que acusa os democratas de hipocrisia.

Comentários