TCU pede bloqueio de bens de Dilma, Palocci e Gabrielli por Pasadena

Ajustar Comente Impressão

Nesta quarta-feira (11), o Tribunal de Contas da União decidiu bloquear os bens da ex-presidente Dilma Rousseff, que depois serão devolvidos à Petrobras como forma de ressarcir o prejuízo causado pela compra total da refinaria de Pasadena, em 2012.

Segundo o TCU, o prejuízo com a compra de Pasadena chegou a US$ 580,4 milhões.

Outros conselheiros também tiveram os seus bens bloqueados: Antonio Palocci, José Sergio Gabrielli, Claudio Luis da Silva Haddad, Fabio Colletti Barbosa e Gleuber Vieira.

O TCU deu prazo de quinze dias para que os ex-membros do conselho se manifestem.

Em 2006, quando a compra de Pasadena foi fechada, Dilma era presidente do Conselho de Administração da Petrobras.

Apesar de caber recurso contra a decisão do TCU, o bloqueio tem efeito imediato e é solidário, ou seja, os bens de todos os envolvidos ficam indisponíveis até que chegue ao valor de US$ 580 milhões.

De acordo com o relatório, apesar de o conselho ter aprovado apenas a compra dos primeiros 50% da refinaria em 2006, os erros de avaliação serviram de base para a aquisição dos 5o% restantes.

Anteriormente, o plenário do TCU já havia condenado Gabrielli e o ex-diretor da área internacional da estatal, Nestor Cerveró, por envolvimento do caso. A estatal adquiriu participação de 50% por US$ 360 milhões. Eles foram condenados a pagar uma multa de cerca de 10 milhões de reais e devolver, solidariamente, cerca de 79,9 milhões de dólares. O TCU também proibiu que ambos ocupem cargos públicos.

Comentários