Cemig: Demanda máxima de energia pode cair 4% com horário de verão

Ajustar Comente Impressão

Brasileiros de 10 Estados e do Distrito Federal deverão adiantar os relógios em uma hora neste domingo (15). O montante, explica a empresa, é suficiente para abastecer a demanda de pico de um município de 800 mil habitantes.

A possibilidade de acabar com o horario de verao neste ano foi cogitada, apos estudos do Operador Nacional do Sistema Eletrico (NOS) indicar que a medida nao proporciona economia de energia, principalmente por causa da popularizacao dos aparelhos de ar condicionado. "Devido a esse aumento, o consumo na parte da tarde não é alterado com o horário de verão, mas a mudança colabora para que não haja a ocorrência de um segundo pico de consumo, já que as pessoas passam a aproveitar por mais tempo a luz natural do dia, evitando assim a ligação simultânea de chuveiros, por exemplo, e da iluminação artificial", explica.

O ONS aponta que no horário de verão praticado em 2016/2017 a economia foi de R$ 159,5 milhões, valor abaixo período de 2015/2016, que foi de R$ 162 milhões.

De acordo com autoridades do setor elétrico, a manutenção do horário de verão é considerada uma "questão cultural". Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários