Pensões: Aumentos extraordinários faseados em 2018 custam 47 milhões em 2019

Ajustar Comente Impressão

No total (nos cinco meses de 2018 e no ano seguinte) a medida vai custar 82 milhões de euros, mas o Governo quis limitar o efeito este ano, por isso o aumento extra só começa em agosto, na mesma lógica do que o Governo fez com o aumento extraordinário de 2017.

A atualização automática ao nível da inflação dos valores de reformas mais altos, através da legislação que leva em conta o crescimento económico, já estava garantido, faltando atingir os pensionistas cujos rendimentos mais baixos não permitiriam chegar aos 10 euros de aumento, os quais terão assim direito ao remanescente até perfazer 10 euros.

Segundo esclareceu à Lusa fonte ligada às negociações para a proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), ficam abrangidas por um aumento de pelo menos seis euros as pensões mais baixas (do primeiro escalão, rurais ou sociais), que não foram sendo alvo de congelamentos ou cortes.

O líder do grupo parlamento do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, disse hoje, em declarações aos jornalistas, que pretende "um aumento extraordinário de pensões para todos e não apenas para os mais idosos".

A medida, apurou o Dinheiro Vivo vai ter um custo de 35 milhões de euros em 2018, enquanto o aumento decorrente da lei custa 357 milhões.

O aumento extraordinário vai abranger cerca de 1,6 milhões de pensionistas.

O Orçamento que será entregue amanhã no parlamento prevê aumentos das pensões entre os seis e os dez euros, confirmou à TSF o deputado do BE, Jorge Costa.

Comentários