Relatório do TCU apontará irregularidades graves em 72 obras do governo

Ajustar Comente Impressão

O Tribunal de Contas da União (TCU) encontrou graves irregularidades em contratos firmados em obras de infraestrutura. Os principais problemas identificados foram atrasos na execução das obras, sobrepreços, superfaturamentos, projetos básicos e executivos deficientes ou inexistentes. Segundo os cálculos dos auditores, as medidas corretivas propostas para sanar as falhas podem gerar economia de R$ 3,5 bilhões. A medida foi tomada após aprovação pelo órgão do relatório da consolidação das fiscalizações de obras do governo federal, o Fiscobras 2017.

Para 11 obras, o TCU recomendou ao Congresso a paralisação: Canal do Sertão (AL); BR-235 (BA); adequação da travessia urbana em Juazeiro - BRs 235/407 (BA), construção da fábrica de hemoderivados e biotecnologia (PE); Vila Olímpica (PI); Usina Termonuclear de Angra III (RJ); BR-040 (RJ); construção do centro e processamento final de imunobiológicos (RJ); corredor de ônibus radial leste trecho 1 (SP); corredor de ônibus radial leste trecho 2 (SP); e BRT de Palmas (TO). Dessas, sete também constavam na lista de recomendação de paralisação em relatório do TCU do ano passado.

O documento do TCU recomendando a suspensão, segundo a assessoria de comunicação do tribunal, deve ser encaminhado ao Congresso Nacional e as informações nele contidas servirão para subsidiar a Comissão Mista de Planos, Orçamento Públicos e Fiscalização (CMO), quanto à distribuição dos recursos orçamentários para 2018 e segue determinação da Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO).

Comentários