Grace vê como 'bastante importante' adiamento de assembleia da Oi

Ajustar Comente Impressão

É o terceiro adiamento feito nos últimos 30 dias.

O juiz alegou que os fatos apresentados pelos credores "demonstram ser, no mínimo, não recomendável a realização da AGC na data de amanhã". Segundo ela, embora o adiamento tenha sido positivo para o governo, a AGU não pediu ao juiz para a assembleia fosse remarcada. Mas, na ocasião, foi a vez de os credores, em especial os bancos públicos e os bondholders (detentores de título), pedirem a extensão do prazo.

Com tudo preparado para a assembleia acontecer nesta sexta-feira (10), no Riocentro, no Rio de Janeiro, a partir das 11h, os maiores credores da companhia pediram novamente o adiamento da assembleia. A Oi apresentou hoje dados complementares sobre a proposta de apoio ao seu plano de recuperação judicial. A operadora anunciou que a assembleia agendada "para 10 de Novembro, em primeira convocação, e para 27/11/2017, em segunda convocação", foi então adiada "para o dia 07/12/2017, às 11:00h, em primeira convocação (podendo continuar no dia 08/12/2017, se for necessário), e para o dia 01/02/2018, em segunda convocação (podendo continuar no dia 02/02/2018, se for necessário)". Enquanto os acionistas não querem perder seus espaço e o controle da operadora, os credores querem receber parte do dinheiro que têm direito e ganhar espaço na companhia através da conversão de parte das dívidas em ações.

O impasse já dura mais de um ano e fez o governo criar um grupo de trabalho, liderado pela Advocacia Geral da União (AGU), para tentar solucionar a crise.

Grace também foi questionada se a solução buscada pelo governo para a situação de dificuldade financeira da Oi envolve a diluição de participação dos atuais acionistas. Mais cedo, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tinha estabelecido as 14h como prazo para a apresentação dos documentos.

A possibilidade de intervenção na operadora tem surgido sempre nos momentos em que o processo de recuperação judicial da Oi parece oferecer risco à continuidade da prestação dos serviços.

Comentários