Temer diz que reforma ministerial é 'inevitável'

Ajustar Comente Impressão

A declaração vem após pedidos de parlamentares da base aliada.

Presidente: Não, acho que não, acho que não. "No dia seguinte que se fez o alerta de que ela iria continuar, a bolsa voltou a subir e o dólar caiu", comentou, ao destacar a sua animação com a possibilidade de aprovação do texto.

"Quem ganha ate dois salários mínimos não vai ter prejuízo nenhum, por isso que precisamos e estamos buscando o empenho de todos, Congresso Nacional, sociedade, para fazer a reforma justa que promova o desenvolvimento do Brasil nos próximos anos", disse o presidente. O presidente, após ressaltar a importância dela ser feita, neste momento, disse "estar animado", por conta do apoio recebido não só de Maia, mas também do ´presidente do Senado, Eunício de Oliveira (PMDB-CE).

Eu acho que há, desde que se explique direitinho o que é a verdadeira reforma da Previdência e a importância dela, até porque o único objetivo dessa reforma é combater privilégios e preservar os mais pobres, os mais vulneráveis.

O presidente Michel Temer disse ontem (9) que está "animado" com o avanço das negociações em torno da reforma da Previdência e uma possível aprovação da proposta. Não há uma modificação em relação aos mais pobres.

Jornalista: Existe uma pressão enorme para o senhor fazer uma reforma ministerial, dada à posição do PSDB e o reclamo do centrão. O que há, sim, é uma quebra de privilégios que hoje não podem mais subsistir. E justificou: "é algo que, toda vez que você governa essas reformas estão sempre em cogitação".

"Eu reconheço que há pleitos e sobremais, como muitos ministros vão deixar os cargos, é claro que a reforma será inevitável". Segundo alguns veículos da imprensa, o Planalto já teria 280 votos na Câmara e tenta obter os 28 restantes para ter placar mínimo ou 50 para ir a voto com margem.

Questionado se tinha os 308 votos para aprovar a reforma, o presidente Temer respondeu: "ah, vamos contando".

Comentários