"China pode resolver problema da Coreia do Norte facilmente", diz Trump

Ajustar Comente Impressão

A Coreia do Norte disse neste sábado, 11, que a primeira viagem do presidente dos EUA, Donald Trump, à Ásia mostrou que ele é um "destruidor" e pediu por uma guerra na península coreana. O presidente norte-americano declarou que, se a Coreia do Norte representar uma ameaça aos EUA, o país asiático será destruído. E não nos testem.

Trump também citou Hillary Clinton, com quem disputou as eleições para presidente, e o ex-presidente Barack Obama para dizer que os democratas falharam nas tentativas de manter boas relações com os russos. Ambos também reforçaram a necessidade de implementar as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e se comprometeram a "aumentar a pressão econômica até que a Coreia do Norte abandone esse caminho imprudente e perigoso".

"Agradecemos. É muito amável, e uma oferta generosa, porque é um bom mediador", disse o chanceler filipino, Alan Peter Cayetano. "Poder ser estranho, mas é certamente uma possibilidade".

"A viagem atual para nossa região se trata de uma visita belicista de confrontação com a República Democrática Popular da Coreia, na tentativa de remover nossa dissuasão nuclear de autodefesa", afirmou, em comunicado, um porta-voz do Ministério do Exterior norte-coreano.

No sábado, Donald Trump garantiu que Vladimir Putin negou as acusações de interferência russa na campanha eleitoral norte-americana, depois de os dois se terem encontrado no Vietname.

As visitas ocorrem em meio à crescente preocupação regional com o desenvolvimento do programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, colocando a questão no topo da agenda.

Trump está na capital do Vietnã, Hanói, no penúltimo dia de sua viagem pela Ásia.

O Governo chinês reivindica a quase totalidade do Mar do Sul da China, incluindo zonas perto das costas do Vietname, Filipinas, Malásia, Brunei, Tailândia, Cambodja, Birmânia, Laos, Indonésia e Singapura.

Comentários