Alavancagem líquida fica em 51%; dívida bruta soma R$ 359412 bilhões — Petrobras

Ajustar Comente Impressão

A Petrobras teve lucro de R$ 266 milhões no terceiro trimestre e pode fechar 2017 com o primeiro lucro anual desde 2013, antes da descoberta do esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

No acumulado do ano, a estatal brasileira registou um lucro líquido (reduzidos os custos das despesas e dos impostos) de cinco mil milhões de reais (1,3 mil milhões de euros), revertendo um prejuízo de 17,3 mil milhões de reais (4,5 mil milhões de euros) obtido nos nove primeiros meses de 2016.

O resultado entre julho, agosto e setembro deste ano representa o 4ª trimestre consecutivo de ganhos.

Nos primeiros nove meses de 2017 o Ebitda da empresa foi de 63,6 mil milhões de reais (16,6 mil milhões de euros) resultado que segundo a empresa teve uma "margem de 31% e estável em relação ao mesmo período do ano anterior".

Durante coletiva de imprensa para apresentação do resultado do terceiro trimestre, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, informou ainda que a empresa mantém a previsão de divulgar até o fim do ano a revisão do plano estratégico, que trará a previsão de investimento para até 2022. De acordo com ele, o saldo de exportação foi de 385 mil barris por dia.

A Petrobras encerrou o terceiro trimestre com um total de 62.528 empregados, uma redução de 12% em comparação o mesmo período de 2016, em função do plano de incentivo ao desligamento voluntário (PIDV).

No balanço a Petrobras mostrou que teve perdas de R$ 3,356 bilhões com itens especiais no terceiro trimestre. E iniciamos um processo de recuperação do vencimento de todas as dívidas da companhia.

A dívida líquida ao final de setembro somou R$ 44,1 bilhões, ante R$ 44,5 bilhões ao fim de junho. "E conseguimos fazer captações com custo menor que os nossos vencimentos, readequando a nossa dívida", destacou o diretor financeiro da companhia, Ivan Monteiro. O número ficou acima do mesmo período do ano passado, quando ficou em R$ 70,443 bilhões. As vendas de derivados no país 1959 mil barris, representando uma queda de 6% em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação os três meses imediatamente anteriores, de 2,776 milhões de barris ao dia, houve recuo de 1%.

Comentários