"Gonçalo Guedes adapta-se a qualquer posição ofensiva" — Fernando Santos

Ajustar Comente Impressão

E lança uma mensagem aos mais afetados pelos fogos: "Esse aspeto solidário é sempre algo muito importante". Isto porque, segundo o técnico, há "uns 40 jogadores que podem estar no Mundial". "Temos uns 40 que podem estar no Mundial, o que quer dizer que 17 vão ficar de fora", admitiu Fernando Santos, esta segunda-feira em conferência de imprensa.

"É um jogador com características que permite jogar em várias posições do ataque". Um do continente asiático, que eventualmente vamos ter de defrontar no Campeonato do Mundo.

Na Cidade do Futebol, em Oeiras, nos primeiros 15 minutos da sessão, que foram abertos à comunicação social, os jogadores efectuaram os habituais exercícios de aquecimento e, de seguida, o seleccionador nacional dividiu o grupo e testou a equipa que poderá entrar de início em Leiria, perante os norte-americanos.

"Vai jogar uma equipa diferente". São rápidos e objectivos. "Vai ser muito difícil, mas eu já disse que é bom ter estas dores de cabeça, é sinal da qualidade do jogador português", frisou, em conferência de imprensa. O treinador pretende incluir "alguns jogadores que não jogaram em Viseu e alguns dos que jogaram em Viseu, dentro daquilo que estava programado".

E, com tantas novidades na convocatória e tão pouco tempo de treino para fazer que os novos jogadores assimilem ideias, o selecionador confessa que "o trabalho de interiorização da matriz de jogo da equipa é feito essencialmente através das conversas". Esse aspecto é importante, apesar de todos estes jogadores terem muitas internacionalizações nos escalões de formação, têm grande traquejo e jogam em grandes equipas.

"Fator positivo é a qualidade dos jogadores, da Seleção, individual e coletiva". "Há jogadores que jogaram e vão jogar amanhã outra vez". Se o jogo não permitir, não acontecerá. A equipa vai corresponder aos nossos anseios. "Temos de ter muita atenção, mas, estando Portugal ao seu nível e com a criatividade dos jogadores, podemos fazer um bom jogo e vencer", realçou o selecionador nacional, a quem a história dá razão.

Comentários