PF cumpre mandados ligados à operação Lava Jato no Rio

Ajustar Comente Impressão

A Polícia Federal tenta cumprir na manhã desta terça-feira (14) mandados de prisão contra Jacob Barata Filho, maior empresário do setor de ônibus do Rio, e Felipe Picciani, filho do presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani. Os três são alvos de mandado de condução coercitiva, a pedido do Núcleo Criminal de Combate à Corrupção do MPF na 2ª Região e decisão do desembargador federal Abel Gomes, relator dos processos da Força-tarefa Lava Jato no TRF2.

A PF cumpre mandados de condução coercitiva contra os três deputados e contra Alice Brizola Albertassi.

O MPF sustentou ao TRF2 que são inafiançáveis os crimes dos deputados, que seguem em flagrante delito, sobretudo de associação criminosa e lavagem de ativos, e que não é preciso a Alerj avaliar suas prisões. Barata Filho e Lélis Teixeira já haviam sido presos na Operação Ponto Final, da qual decorre a Cadeia Velha. Serão presos temporariamente Ana Claudia Jaccoub, Marcia Rocha Schalcher de Almeida e Fabio Cardoso do Nascimento.

A Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Lava Jato, também faz buscas nas residências de Lélis Teixeira, ex-presidente da federação das empresas do transporte público do Rio (Fetranspor) e do deputado Paulo Melo (PMDB). A Ponto Final foi deflagrada em julho. O esquema, concluíram os investigadores, teria começado nos anos 1990, por Cabral, e hoje seria comandado pelo presidente da Casa, deputado Jorge Picciani, por seu antecessor, deputado Paulo Melo, e pelo líder do governo Edson Albertassi, caciques do PMDB fluminense.

O MPF também identificou que a indicação de Albertassi para uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE) "pode ter sido uma manobra para que a organização criminosa retome espaços perdidos com os afastamentos de conselheiros determinados pelo STJ, e também uma forma de atrapalhar as investigações, ao deslocar a competência para a apuração dos fatos e tirar o caso do TRF2".

Segundo a PF, a operação de hoje é um desdobramento da Ponto Final, que mira fraudes no setor de transporte do estado do Rio de Janeiro.

Comentários