"Dezembro Vermelho": campanha visa a conscientização para prevenção à AIDS

Ajustar Comente Impressão

Este grupo corresponde a 54% dos 1.974 casos registrados no Estado em 2016. Dentre as diversas ações que marcam a data, a Prefeitura de Florianópolis lança nesta sexta-feira (1º) a campanha "Pare o HIV Floripa 2020". O Ministério faz uma diferenciação entre esses dois dados.

O município precisou comprovar, ainda, que possui uma linha de cuidado e monitoramento às gestantes, para diagnóstico, tratamento e prevenção do contágio do bebê. Já na faixa etária entre 15 e 19 anos, a média é de 6,9 casos para cada 100 mil habitantes. Outros casos de doenças sexualmente transmissíveis também têm aumentando entre os mais jovens, como sífilis e gonorreia. Entre 2010 e 2015, a população infectada também aumentou: de 700 mil para 830 mil pessoas - um aumento de 18%.

O preconceito também pode tornar a doença ainda mais difícil.

Já as notificações de Aids, que é o quando o vírus HIV se desenvolve, houve uma queda de 5% no mesmo período.

Especialistas afirmam que esta nova geração não viveu aquele momento difícil da chegada da Aids ao país, quando praticamente não havia tratamento e por isso não sabem o quanto é doloroso conviver com a doença. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico do HIV, mais cedo será iniciado o tratamento contra a Aids.

O número de novos casos de Aids vem caindo na última década em Santa Catarina, de acordo com os dados epidemiológicos.

Também o Ministério da Saúde registra uma mudança no perfil da epidemia nos últimos dez anos.

A Coordenadora do Núcleo de Média e Alta Complexidade de Aquidauana, enfermeira Lahis Freitas Silva, informou que, em 2017, foram notificados 20 novos casos de HIV, sendo 10 desses em Aquidauana e o restante na microrregião.

A SES distribui ainda diversos insumos de prevenção (preservativos femininos, masculinos e gel lubrificante).

O documento mostra que, ao permitir que os homens permaneçam livres do HIV, façam o teste regularmente e, caso sejam diagnosticados soropositivos, comecem e permaneçam em tratamento, os benefícios não irão apenas melhorar os resultados da saúde masculina, mas também contribuirão para diminuir as novas infecções por HIV entre as mulheres e meninas e alterar normas prejudiciais de gênero. O tratamento da Aids é oferecido gratuitamente a todos os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Comentários