Cresce casos de HIV e Estado intensifica ações no combate à AIDS

Ajustar Comente Impressão

Neste ano, mais de 10 milhões de unidades foram distribuídas, um volume 49% superior ao registrado em 2016.

"Esses dados indicam duas realidades distintas". O autoteste, que pode ser feito em casa, e a expansão da oferta de testes fora dos estabelecimentos de saúde, são formas apontadas para auxiliar na prevenção e no tratamento, já que o diagnóstico precoce melhora a qualidade de vida das pessoas com HIV e também contribui na prevenção de novas infecções.

Na mesma região, a medida que os homens têm mais idade, o uso de preservativos para ter relações sexuais com uma parceira ocasional diminui, e é mais provável que sejam HIV positivo.

A afirmação é comprovada pelos resultados preliminares do Estudo POP-Brasil: resultados e ações para o enfrentamento da infecção pelo HPV, realizado pelo Ministério da Saúde e divulgado esta semana. A faixa etária de maior registro foi entre 25 e 29 anos, com 184 casos.

Todo esse esforço viabiliza o cumprimento da meta do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids), já que 91% das 830 pessoas vivendo com HIV já não possuem mais o vírus detectável no sangue. Porém, mesmo sem desenvolver a doença, a pessoa portadora do vírus HIV poderá transmiti-lo.

O Dia Mundial de Luta Contra a AIDS tem como objetivo reforçar a solidariedade, tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo vírus, além de intensificar as ações preventivas, diagnóstico e tratamento do HIV/AIDS com a população.

O diagnóstico oportuno do HIV aumenta a expectativa de vida do soropositivo, retardando a passagem do quadro de HIV para o de Aids. E isso tem ocorrido em Santa Catarina, na avaliação da gerente de DST/Aids e Hepatites Virais da Dive.

Nos últimos dez anos, os índices de contaminação entre jovens (de 15 a 24 anos) aumentaram, assim como entre a população acima de 60 anos.

A aids, ou as doenças relacionadas, causaram a morte de um milhão de pessoas em todo mundo em 2016, e 1,8 milhão de pessoas se infectaram.

A taxa de detecção de HIV/Aids no Espírito Santo no ano de 2016 foi de 30,5 casos para cada 100.000 habitantes no Estado.

Para reduzir o número de casos da doença, a coordenadora estadual de DST e Aids da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Sandra Fagundes, explicou que a Sesa realiza a distribuição gratuita trimestral de 2.056.764 preservativos masculinos, e 45.864 preservativos femininos, além da realização de campanhas sobre prevenção da doença.

Comentários