Bruno Gagliasso se emociona ao relembrar ataque racista

Ajustar Comente Impressão

As acusações feitas contra Titi Gagliasso na última semana, que levaram Bruno Gagliasso a prestar queixa contra Day McCarthy, estão longe de colocar um ponto final na discussão levantada e apoiada por diversas celebridades sobre a questão racial. No "Fantástico" deste domingo (3), o ator se juntou à mulher, Giovanna Ewbank, para debater o assunto ao lado de outros duas famílias que também sofreram preconceito. "Eu não tinha ideia". É óbvio que a gente sempre soube, mas vivenciar isso de perto e dentro de casa é muito forte, é muito agressivo, machuca e a gente só sente isso quando está dentro da nossa casa, conta Gagliasso, que é complementado por Gioh: - Acho que a gente até estava um pouco despreparado com o que vinha. "A gente se sente meio correndo contra o tempo para conseguir as ferramentas necessárias para criar a nossa filha em um país racista", disse.

Ewbank, por sua vez, afirmou que não esperava passar por isso quando adotou Titi. É um assunto que vai vir à tona e eu preciso estar preparado pra isso.

O famoso ainda lembrou que se prepara para uma futura conversa com a herdeira, atualmente com 4 anos de idade.

O terceiro ataque racista contra a filha do casal, foi de Day McCarthy pela internet quando gravou um vídeo chamando a menina de "macaca". McCarthy foi indiciada por crime de injúria racial depois do ocorrido. Eu nunca de fato vou sentir na pele o que é o racismo, mas a minha filha é negra, né?, alou, ainda, Bruno.

Giovanna Ewbank já havia declarado que mudou sua visão sobre o racismo após a adoção de Títi.

Giovanna lamentou ter demorado 31 anos para "enxergar" o racismo e suas consequências, assim como o parceiro. Por que eu deixei passar algumas coisas?

Para comentar na página você deve estar logado. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.

Comentários