Cármen Lúcia ameaça acionar os presidentes dos Tribunais de Justiça

Ajustar Comente Impressão

Apenas 7 dos 27 Tribunais de Justiça entregaram, até às 18 horas desta segunda-feira, os dados exigidos ao Conselho Nacional De Justiça (CNJ). Para facilitar o acesso da população às informações, o conselho criou uma planilha padronizada, colocada à disposição de todos os tribunais desde o último mês de outubro, na qual deve ser especificado “os valores relativos aos subsídios e eventuais verbas de qualquer natureza, para divulgação ampla à cidadania”.

"Espero que em 48 horas se cumpra essa determinação do CNJ para que eu não tenha que acioná-los oficialmente", disse a ministra Cármen Lúcia durante a reunião com os presidentes dos tribunais.

"Não recebi as informações".

"Quero terminar o ano mostrando para a sociedade que não temos nada para esconder", justificou Cármen posteriormente.

A ministra Cármen Lúcia disse que testou pessoalmente algumas páginas eletrônicas dos tribunais para verificar o nível de transparência das informações e que ficou "horrorizada" quando teve que passar por 18 cliques em um dos sites.

"Tem tribunal dificultando e isso não pode acontecer", enfatizou a ministra, para emendar: "Não compactuamos com ilegalidades".

Segundo a juíza, os tribunais não estão cumprindo a ordem de divulgar informações completas sobre o salário dos magistrados. Na Justiça Federal, apenas o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (São Paulo e Mato Grosso do Sul) mandou informações.

Dezesseis tribunais de justiça, 13 tribunais regionais eleitorais, 11 tribunais regionais do trabalho, um tribunal regional federal e um tribunal de justiça militar informaram as remunerações de magistrados até as 20h de quarta-feira.

Comentários