Austrália. Parlamento aprova casamento gay

Ajustar Comente Impressão

Corresponde agora ao governador geral Peter Cosgrove, o representante na Austrália da rainha Elizabeth II da Inglaterra, assinar a lei, o que deve acontecer nos próximos dias.

A reforma que faz da Austrália o vigésimo quinto Estado que legaliza os casamentos entre pessoas do mesmo sexo altera a última lei de matrimónios australiano que data de 1961. "Que dia fantástico para o amor, a igualdade e o respeito", reagiu o primeiro-ministro Malcolm Turnbull, citado pela BBC.

Ao rejeitar todas as emendas ao projeto aprovado na semana passada no Senado, a Câmara Baixa deu sinal verde à proposta do senador liberal Dean Smith e encerrou o último trâmite legislativo para que o casamento gay possa ser realizado no país. "Todos os australianos tiveram voz e eles disseram que [o casamento gay] é justo".

O líder da oposição, Bill Shorten, afirmou na mesma altura que "a Austrália do futuro começa com o que for feito hoje".

A lei recebeu o apoio de uma esmagadora maioria, uma vez que apenas quatro legisladores votaram contra.

A aprovação do projeto lei na Câmara Baixa foi recebida com aplausos e nas galerias os cidadãos presentes entoaram a canção "We are australians" ("Nós somos australianos").

Vários deputados levavam bandeiras com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGTBIQ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e "Queres") enquanto no exterior do edifício uma multidão aguardava o momento da votação.

Em comunicado emitido após a votação e divulgado pela emissora local "ABC", o procurador-geral da Austrália, George Brandis, disse que "a reforma histórica entrará em vigor no sábado, dia 9 de dezembro de 2017".

Comentários