Quadrilha é suspeita de esquartejar duas crianças em ritual satânico

Ajustar Comente Impressão

Quatro dos sete suspeitos envolvidos na morte de duas crianças por meio de um ritual satânico, em Novo Hamburgo, estão com prisão preventiva decretada. O preço acertado para o ritual seria de R$ 25 mil. O "bruxo" teria pedido duas crianças de mesmo sangue.

Investigações da Polícia Civil apontam que um dos foragidos é argentino e tem amigos no Rio Grande do Sul. "O bruxo falava uma língua estranha, nós acreditamos que seja aramaico", disse o delegado.

Além de Silvio Fernandes Rodrigues, foram presos Jair da Silva, sócio que encomendou o ritual; Andrei Jorge da Silva, um dos filhos de Jair; Márcio Miranda Brustolin.

Conforme a investigação, o ritual para conseguir a prosperidade no ramo imobiliário, encomendado pelos sócios, envolve sacrifício.

"Um horrendo, cruel e bárbaro crime".

De acordo com o delegado, o ritual foi iniciado com um dos sócios, que era evangélico, renunciando a Jesus dentro de uma igreja.

A Bíblia sagrada deveria permanecer aberta por sete dias, prazo que era dado para que Lúcifer se manifestasse, e depois teria sido levada para o templo satânico na região de Morungava, em Gravataí.

Por isso, com base nos novos indícios coletados na investigação, surgiu a hipótese de que o menino e a menina possam ter sido trazidas ou compradas na Argentina. Uma testemunha contou a polícia que viu o menino amarrado em um pedestal e a menina estava deitada no chão. A menina tinha marcas de perfuração de faca em um membro que foi localizado.

No templo, a polícia apreendeu vários materiais que estão ligados ao esquartejamento das crianças.Os corpos teriam sido esquartejados no local.

"O deus deles, ou demônio Moloch, é especializado em sacrifício de crianças".

Na época, pedaços de membros humanos como pés, braços, mãos, pernas e troncos foram encontrados por um catador de lixo em Lomba Grande, região rural do município de Novo Hamburgo, no Vale dos Sinos. A Polícia ainda está apurando sua participação no crime.

No entanto, durante as férias do titular, as investigações foram assumidas pelo delegado Moacir Fermino, que foi quem recebeu as informações sobre o envolvimento dos discípulos do templo satanista.

Após a coletiva, foi informado pela Polícia Civil que o delegado Rogério Baggio volta das férias, e que deve reassumir o caso.

Os crânios das crianças ainda não foram encontrados, e o resultado da perícia, acompanhado de mais oitivas de testemunhas, vão contribuir com o inquérito.

Segundo ele, além disso, a análise do material encontrado no templo pode levar mais dois meses para ser concluído, uma vez que foram encontrados diversos documentos e vídeos, que ainda serão analisados.

Comentários