Trump admite que EUA podem voltar para Acordo do Clima de Paris

Ajustar Comente Impressão

"O acordo tratou os Estados Unidos de forma muito injusta". Ficou muito difícil para nós negociar do ponto de vista dos negócios. Ele tirou muitos valor de nossos ativos.

- (O acordo) tratou os Estados Unidos muito injustamente - disse Trump em entrevista coletiva ao lado da primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg. Somos um país rico em gás, em petróleo, em carvão, e muitas outras coisas, e havia uma penalidade tremenda em usá-los.

"Francamente, é um acordo com o qual não tenho problema, mas eu tinha um problema com o acordo que assinaram, porque, como de costume, fizeram um mau negócio", prosseguiu, referindo-se à gestão de Barack Obama, que foi a que entrou no acordo.

- Então, nós poderíamos voltar - concluiu. A preocupação de Trump é essencialmente com as empresas assentes nos combustíveis fósseis; alguns destes negócios teriam de fechar para cumprir as metas até 2020, acrescenta.

É “concebível” que os EUA retornem ao Acordo do Clima de Paris
Trump admite que EUA podem voltar ao Acordo de Paris

"Eu me sinto muito forte em relação ao ambiente".

Em Junho, Trump reforçou a posição que defendera em campanha eleitoral: "Para proteger a América e os seus cidadãos, os Estados Unidos vão sair do Acordo de Paris", anunciou o presidente norte-americano que classificou o acordo como "uma redistribuição maciça da riqueza dos EUA por outros países". Concluído em dezembro de 2015, o acordo tem por objetivo limitar o aumento das temperaturas globais, reduzindo as emissões de gases causadores de efeito estufa.

As condições atuais do acordo não são compatíveis com os interesses econômicos dos EUA, disse Trump e dando exemplos de China e Rússia indicaram que seu país pode ser parte do acordo novamente se determinados regulamentos forem feitos.

Comentários