Brexit. Nigel Farage admite segundo referendo no Reino Unido

Ajustar Comente Impressão

O eurodeputado britânico Nigel Farage, um ardente defensor do Brexit, admitiu hoje a eventualidade de um segundo referendo sobre a saída da União Europeia (UE) para silenciar em definitivo os opositores desta decisão.

Pesquisas de opinião publicadas algumas vezes após o Brexit sair vitorioso apontaram que muitos britânicos poderiam votar de outra forma na consulta, pois, após a apuração, é que tomaram consciência do tamanho dos reflexos da saída do Reino Unido da UE, principalmente na área econômica. As sondagens mostram que os britânicos continuam muito divididos.

O referendo sobre a presença do Reino Unido na UE registou 52% de votos a favor da retirada (Brexit), contra 48% a defenderem a permanência. "Talvez, só talvez, eu esteja a chegar ao ponto de pensar que devíamos ter um segundo referendo, para acabar de vez com a coisa".

Esta é a primeira vez que Farage admite a possibilidade de um segundo referendo, já que sempre defendeu que o resultado de junho de 2016 tinha de ser respeitado e que não se podia fazer referendos até que se atingisse um determinado resultado pretendido por algum "establishment". "O que é certo é que os Cleggs, os Blairs, os Adonises nunca mais desistirão".

"Poderíamos terminar com tudo isto e Blair desapareceria", prosseguiu. Tendo o governo levado longos meses a invocar o artigo da Carta da União Europeia que regulamenta a matéria, a data prevista para o Reino Unido deixar a UE é 29 de março de 2019. Com o movimento, no entanto, seu Partido Conservador perdeu a maioria no Parlamento.

Comentários