MP vai aumentar presença do Exército na fronteira com Venezuela

Ajustar Comente Impressão

Dois dias após o presidente Michel Temer prometer mais recursos para o governo de Roraima, que solicitou ajuda para lidar com a migração em massa de venezuelanos para o estado, agentes da Força Nacional chegaram nesta madrugada de quarta-feira como reforço do policiamento em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. "Não descansarei enquanto não resolver os problemas de Roraima", disse. O ministro da Defesa acrescentou que serão criados mais postos de controle no interior de Roraima e será ampliado o controle da fronteira na cidade de Pacaraima.

De acordo com Temer, será criada um comitê para acompanhar a situação, cuja coordenação será comandada pelo Exército em conjunto com o governo estadual.

Na ocasião, o presidente disse ainda que "todos os recursos necessários serão encaminhados para solucionar a questão dos venezuelanos". "Porque não é cuidar apenas do imigrante venezuelano, é cuidar também da população de Roraima", destacou.

No começo desta semana, o país criou uma força-tarefa para controlar o ingresso de venezuelanos em Roraima, medida anunciada durante visita do presidente a Boa Vista.

De acordo com Torquato, o fornecimento de energia elétrica para a região também preocupa o governo.

"Nós vamos também intensificar a fiscalização na fronteira, por meio de um efetivo em motocicletas", disse o ministro, ressaltando que muitos refugiados atravessam sem passar pelo controle fronteiriço.

Segundo o ministro, o governo também vai tentar adiantar uma audiência pública sobre a construção da linha de transmissão de energia elétrica Manaus-Boa Vista, atualmente marcada para 14 de março, para adiantar o início das obras.

Segundo Torquato, as medidas não visam proibir a entrada de venezuelanos, "que seria contrário aos tratados de direitos humanos que o Brasil subscreve". "Seria fazer uma seleção para saber quem está chegando e que tipo de ajuda cada um precisa", destacou. "Uns precisam de assistência médica e outros já são mais qualificados para conseguir emprego", afirmou. "Então saber quem está chegando e como pode ser útil dentro da própria comunidade de venezuelanos que chegam ao Brasil", disse.

O ministro Etchegoyen do GSI afirmou que a Inteligência trabalhará para monitorar o fluxo e ver o perfil de venezuelanos que estão entrando no país.

Participam da reunião no Palácio da Alvorada os ministros da Justiça, Torquato Jardim; da Defesa, Raul Jungmann; do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Sérgio Etchegoyen; da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha. Além disso, esteve no encontro o subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo do Vale Rocha.

Comentários