Manifestantes tomam as ruas do Rio em protesto pelo assassinato de Marielle

Ajustar Comente Impressão

"Ele negou. Não temos elementos para comprovar a participação dele", disse Gutemberg.

Assim que o carro em que os três estavam sai do local um carro que estava estacionado logo atrás sai depois.

Um veículo abandonado foi apreendido pela polícia, na noite desse sábado (17), no bairro Industrial, em Ubá. Os dois foram assassinados a tiros na última quarta-feira (14). A Polícia Civil do Rio já tem imagens do momento em que Marielle saía do encontro.

O Portal dos Procurados do Disque Denúncia divulgou um cartaz com os dizeres Quem Matou? para receber informações que possam ajudar nas investigações da Polícia Civil, que tem à frente a Delegacia de Homicídios da Capital (DH). Ela estava com a assessora e o motorista do carro, Anderson Pedro Gomes, que também faleceu, quando o veículo foi emparelhado foi outro e alvejado por ao menos 13 tiros.

O comediante Marcelo Adnet enalteceu a figura de Marielle e pediu por mais respeito à sua figura e ao que ela representava. Uma assessora que também estava no carro sobreviveu.

A vereadora e Anderson Gomes morreram na hora. Todos os indícios apontam para a possibilidade de um homicídio premeditado, uma execução. O nome da assessora e seu destino não foram divulgados, por questão de segurança. Desde 28 de fevereiro, ela atuava como relatora de uma comissão da Câmara dos Vereadores criada para fiscalizar a intervenção federal no Rio. A medida, inédita, foi anunciada pelo presidente Michel Temer (MDB) em 16 de fevereiro, com o apoio do governador Luiz Fernando Pezão, também do MDB.

Não há recursos para pagar servidores e para contratar PMs aprovados em concurso.

A falta de estrutura atinge em cheio o moral da tropa policial e torna os agentes vítimas da criminalidade. A Divisão de Homicídios já possui todo o trajeto registrado por câmeras de segurança. Nesse vácuo, o número de confrontos entre grupos criminosos aumentou.

Comentários