Roraima pede ao STF fechamento temporário de fronteira com Venezuela

Ajustar Comente Impressão

A governadora de Roraima, Suely Campos (PP), anunciou ter entrado com ação no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo para a União fechar temporariamente a fronteira com a Venezuela.

De acordo com o governo estadual, a medida foi necessária pela omissão do governo federal em cumprir seu papel constitucional de controle da fronteira, sobrecarregando o estado em diversos serviços públicos.

Em fevereiro, o governo federal editou uma medida provisória para declarar situação de emergência social em Roraima por conta da situação dos refugiados venezuelanos. "Além de estar prejudicado financeiramente, Roraima está de mãos atadas pois não pode controlar a fronteira nem implantar barreira sanitária, pois são competências da União", reforçou Suely Campos.

Além do fechamento da fronteira, Suely Campos solicitou ao STF mais verbas da União devido ao fluxo migratório dos imigrantes.

Roraima vive uma grave crise migratória e humanitária, com a entrada diária de 500 a 700 venezuelanos, segundo a governadora, que saem de seu país, que vive profunda crise. "Da forma como está sendo feito, nós não concordamos, porque continuamos tendo um grande impacto no fluxo imigratório venezuelano", apontou a governadora, segundo divulgou o G1.

A entrada dos venezuelanos em Pacaraima é liberada. A ação pede ainda recursos adicionais para suprir os custos especialmente de saúde e educação com os imigrantes.

A governadora quer controle efetivo até que se resolvam os problemas decorrentes dos milhares de migrantes que estão no Estado.

Segundo Suely, hoje, a maior parte dos imigrantes que chegam a Roraima tem se estabelecido em praças e imóveis abandonados.

"A interiorização é lenta, apenas 260 venezuelanos foram levados para São Paulo e Mato Grosso. Como é que o menor Estado da Federação, nós temos 520 mil habitantes, de repente nós temos um acréscimo de 10 por cento da nossa população", disse, em entrevista coletiva nesta sexta-feira, em Brasília.

Comentários