Audições sobre incêndios florestais "têm sido sistematicamente adiadas"

Ajustar Comente Impressão

António Costa assumiu esta posição sobre o Programa de Estabilidade, que hoje será apresentado publicamente, após ter estado numa reunião de trabalho na Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) sobre a preparação do dispositivo especial de combate aos incêndios florestais.

"Não se pode admitir que os membros do Governo se furtem à fiscalização pela Assembleia da República e à prestação de contas a que estão obrigados", escreve o PCP.

"O essencial do problema tem a ver com os sucessivos pretextos que os ministros quer da Agricultura, quer do Planeamento e Infraestruturas, quer das Finanças têm adiantado para se furtarem às audições que têm sido agendadas pela comissão", criticou João Oliveira. Foi possível chegar a uma data apenas no início deste mês e a audição ficou finalmente marcada para o dia 18 de abril de manhã.

Na carta enviada a Ferro, os comunistas também disseram que, nesta matéria, há também responsabilidades no PS, PSD, CDS e BE "que se manifestaram indisponíveis para realizar estas audições" fora da comissão parlamentar de agricultura. As audições regulares deviam ter começado logo em fevereiro.

João Oliveira, líder parlamentar do PCP, afirmou, citado pela rádio TSF, diz que o partido já enviou uma carta a Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia Geral, onde apela que este faça cumprir a lei aprovado em comissão.

Comentários