Roraima vai ao STF para fechar fronteira com Venezuela

Ajustar Comente Impressão

A governadora de Roraima, Suely Campos (PP), disse em Brasília nesta sexta-feira (13) que o governo do estado entrou com uma ação no Supremo Tribunal Fedeal (STF) pedindo para a União fechar temporariamente a fronteira com a Venezuela.

Na ação, o governo de Roraima associa a imigração em massa de venezuelanos ao aumento da violência e a problemas de saúde pública no estado, como o reaparecimento de doenças como o sarampo, com 59 casos registrados, e tuberculose.

Conforme a ação, se de imediato não acontecer um controle na fronteira é necessário que ela seja fechada provisoriamente até que sejam adotadas medidas concretas para a crise imigratória. Segundo o governo de Roraima, criminosos venezuelanos passaram a estabelecer relações com facções brasileiras. A ação pede ainda recursos adicionais para suprir os custos suportados especialmente com saúde e educação.

O governo de Roraima faz também duras críticas ao governo federal, que "indevidamente não exerce de maneira efetiva suas competências constitucionais", gerando "ônus insuportável" a Roraima.

A governadora Suely Campos disse que tentou diversas vezes tratar do tema com as autoridades federais, e, que embora desde 2017 o Estado já tivesse decretado emergência social, apenas em fevereiro a União editou a Medida Provisória 820/2018, sobre acolhimento de estrangeiros.

"Nada de efetivo foi implementado até o momento, mesmo após a Medida Provisória, a não ser a transferência de apenas 266 venezuelanos para os estados de São Paulo e Mato Grosso, o que representa um fator ínfimo, considerando os mais de 50 mil que, muitos deles, perambulam pelas praças da capital Boa Vista", afirmou Suely em entrevista ao jornal O Globo.

Roraima vive uma grave crise migratória e humanitária, com a entrada diária de 500 a 700 venezuelanos, segundo a governadora, que saem de seu país, que vive profunda crise. Com essa facilitação na fronteira feita pela União, está cada dia mais entrando venezuelano.

Comentários