Maluf está com metástase e trombose venosa profunda, revela boletim médico

Ajustar Comente Impressão

Boletim divulgado pelo hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, na noite desta segunda-feira (9), informa que o deputado federal afastado Paulo Maluf (PP-SP) está com metástase decorrente do câncer de próstata e com trombose venosa profunda na perna esquerda.

Ainda segundo o boletim, exames no deputado afastado confirmaram "síndrome paraneoplástica e uma trombose venosa profunda no membro inferior esquerdo". Sem previsão de alta para os próximos dias, Paulo Maluf segue internado e preocupa. Ele chegou à capital paulista no último dia 30 para cumprir prisão domiciliar, depois de ter sido internado em Brasília.

Maluf teve seu pedido de concessão de prisão domiciliar aprovado pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), no mês passado. O parecer destaca também que há outros presos com condições de saúde similares à de Maluf e que estes cumprem a pena normalmente: "Dispensável destacar que os recursos médico-hospitalares disponíveis pelo Sistema Prisional são os mesmos que atendem milhares de outros presos, que também possuem condições especiais de saúde, mas que, nem por isso, obtém tratamento diferenciado".

Maluf, que tem um #Câncer de próstata, apresentou entre outras coisas, encefalopatia tóxico-metabólica, depressão, confusão mental, alteração de humor e comportamento, osteoporose e degenerações da coluna, segundo o seu médico pessoal, o Dr. e Professor Sérgio Carlos Nahas.

O boletim também informa que o tratamento, que prevê regime hospitalar durante aproximadamente sete dias, se estenderá "por mais 90 a 120 dias de tratamento ambulatorial para recuperação e reabilitação dos déficits adquiridos recentemente".

Ele está com quadro de incontinência urinária, metástase óssea na região sacral decorrente do câncer de próstata, alterações da marcha com perda de força muscular e atrofia em ambas as pernas, que confere ao paciente a condição de cadeirante.

Ele segue acompanhado pelo Prof. Dr. Sergio Nahas, e pelos médicos Prof.

Comentários