Ataque de grandes potências à Síria: tudo o que você precisa saber

Ajustar Comente Impressão

Especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) haviam previsto iniciar neste sábado suas perícias na região de Duma para tentar determinar exatamente o que ocorreu no final de semana passado e confirmar se efetivamente foram usadas armas químicas. "Em razão de sua inabilidade -ou recusa - de conter os crimes de Assad, a Rússia deve assumir a responsabilidade por seu comportamento", disse Trump.

Washington, 15 abr (Lusa) - O presidente norte-americano, Donald Trump, justificou hoje o uso da frase "missão cumprida" para descrever os ataques contra instalações de armas químicas na Síria afirmando que "é um excelente termo militar que deve ser recuperado".

Na mesma conferência de imprensa, um alto responsável do Pentágono, o general Kenneth McKenzie, referiu que os ataques ocidentais realizados hoje de madrugada representaram um grande golpe para o programa de armas químicas da Síria e que "levará anos para recuperar".

Ele aponta, ainda, que o ato militar foi realizado em conjunto com Forças Amadas da França e do Reino Unido e que os alvos foram "uma instalação de centro de pesquisa científica, uma instalação de armazenamento e um bunker".

"Após intensas operações militares ao longo de várias semanas, as nossas Forças Armadas completaram a limpeza de organizações terroristas armadas nas cidades e povoados de Ghouta Oriental, depois da retirada de todos os terroristas da cidade de Duma, seu último reduto", disse o Comando em comunicado. Se trata de ataques limitados e seletivos que não representam uma escalada das tensões na região e visam fazer o possível para evitar a morte de civis. "A linha vermelha fixada pela França em maio de 2017 foi ultrapassada". Ela também destacou que o compromisso dos EUA é derrotar o Estado Islâmico.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, manifestou seu apoio aos bombardeios avaliando que isto vai reduzir a capacidade do regime de voltar a atacar o povo da Síria com armas químicas.

Segundo a porta-voz do Pentágono, o uso de armas químicas não pode ser tolerado.

Não direi quando tivemos a prova.

Assad disse aos visitantes que os três países que realizaram o ataque lançaram uma campanha de "mentiras e desinformação" contra a Síria e a Rússia.

Pouco antes da reunião de emergência, a Rússia distribuiu um projeto de resolução em que pedia à ONU que condenasse a "agressão" armada ocidental contra um Estado soberano que viola, segundo Moscovo, "o Direito Internacional e a Carta das Nações Unidas".

Comentários