Morre aos 86 anos o cineasta Roberto Farias

Ajustar Comente Impressão

O cineasta, produtor e distribuidor Roberto Farias morreu nesta segunda-feira (14), aos 86 anos, no Rio de Janeiro.

Farias começou sendo assistente de direção e estreou no drama "Maior que o Ódio" (1951) de José Carlos Burle. "Cidade Ameaçada" também marcou a sua primeira parceria com o irmão Reginaldo Faria, com quem formaria mais tarde um dos mais poderosos clãs do cinema nacional, completado por Riva, outro irmão, e pelos filhos Lui Farias, Mauro Farias e Maurício Farias. A partir de um argumento próprio, ele desenvolveu o roteiro de Rico Ri à Toa (1957) com o irmão Riva, sobre um chofer de praça (o genial Zé Trindade) que ganha um prêmio na loteria e se sente deslocado como rico quando passa a sofrer constrangimentos por causa de suas origens. Em 1973 realizou com Hector Babenco "O fabuloso Fittipaldi".

Responsável pela direção de clássicos do cinema nacional como O Assalto ao Trem Pagador (1962), Farias também promoveu o cinema nacional como diretor-presidente da Academia Brasileira de Cinema, cargo ao qual tinha sido reeleito há um mês, e diretor geral da Embrafilme entre 1974 e 1978.

O último trabalho do profissional no cinema foi o filme "Os Trapalhões no Auto da Compadecida", em 1987, que vendeu na época mais de 2 milhões de ingressos.

O cineasta fundou, em 1965, a Difilme, uma distribuidora independente, com o grupo Cinema Novo. O cineasta assinou mais de 25 longas-metragens, como diretor, produtor, distribuidor e roteirista, entre eles Assalto ao Trem Pagador, Toda Donzela Tem um Pai que É Uma Fera e Pra Frente, Brasil, primeiro filme a falar explicitamente da tortura na ditadura militar, premiado nos festivais de Berlim e Huelva.

Além disso, foi presidente do Sindicato Nacional da Indústria Cinematográfica, presidente do Júri do Festival do Cinema do Rio em 1986 e do Festival de Gramado de 2000.

Pelo Twitter, O Ministério da Cultura lançou uma nota de pesar e lembrou que o diretor começou sua carreira nos anos 50 e desde de lá, não parou mais.

Até seu engajamento foi francamente ligado a um cinema voltado ao grande público.

O velório ocorre hoje pela manhã, das 9h às 17h, na Capela 1 do Memorial do Carmo (RJ).

Comentários