Tríplex atribuído a Lula tem primeiro lance, de 2,2 milhões de reais

Ajustar Comente Impressão

Faltando um dia para o término do leilão do apartamento tríplex do Guarujá (SP), atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não houve nenhum lance para a compra do imóvel, avaliado em R$ 2,2 milhões. O empresário de Brasília arrematou o imóvel por R$ 2,2 milhões na tarde desta terça-feira (15) e realizará o pagamento nos próximos três dias para assumir a posse da propriedade.

A página do leilão atingiu 54.900 visitantes. O leiloeiro em comissão de 5% do valor da venda.

Então, o imóvel será leiloado com lance mínimo de 80% do valor atual.

O comprador foi Fernando Costa Gontijo, que criou a Guarujá Participações apenas para comprar o imóvel. A informação foi publicada pelo site do jornal "O Globo" nesta terça-feira. "É um imóvel que tem uma posição privilegiada, de frente ao mar, achei que era um bom investimento", afirma.

Após um único lance, no valor mínimo estipulado pelo edital, imóvel pivô da condenação do ex-presidente Lula a 12 anos e um mês de reclusão tem um novo dono. "A prova final é que o mesmo juiz Sérgio Moro reconhece que os recursos do leilão podem ir para a OAS", disse o advogado de defesa do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins, em nota de março deste ano.

Gontijo diz ainda que atua principalmente por meio da FCG Comércio, Turismo e Serviços. No entanto, pouco antes do fim do leilão, ele retirou a oferta.

O apartamento, de 297 m2, tem quatro quartos, piscina e um espaço para se fazer churrasco, segundo a descrição do site do leilão. Um elevador integra os três andares, mas não é possível verificar o funcionamento porque a luz da unidade não está ligada, informa o laudo de avaliação.

O juiz Sérgio Moro, que condenou Lula em primeira instância, determinou que o valor obtido com a venda seja entregue à Petrobras. Lula nega todas as acusações, incluindo sobre o tríplex.

Lula, de 72 anos, que começou a cumprir a sentença de prisão no início de Abril em Curitiba (sul) diz estar inocente e alega que não há provas concretas de que o apartamento lhe era destinado.

Comentários