Moro diz que combate à corrupção no Brasil deve aumentar produtividade

Ajustar Comente Impressão

Nessa terça-feira, 15, Moro recebeu o prêmio "Pessoa do Ano" pela Câmara do Comércio Brasil-EUA. Segundo Moro, "Judiciário e juízes devem atuar com modéstia, de maneira cuidadosa e humilde". A nova foto polémica mostra o magistrado ao lado do ex-autarca de São Paulo e pré-candidato ao governo do estado paulista, João Dória, e foi tirada durante um convívio em Nova Iorque na noite desta terça-feira. Azul poderia ser PSDB ou eventualmente Partido Democrata - disse, arrancando risos da platéia.

O juiz que não bota nenhum tucano na cadeia viralizou o ex-prefeito que adora usar o antipetismo como palanque eleitoral. Ele optou pela vermelha, que é a cor do logotipo do Lide. Sua onipresença em terras ianques despertou até o comentário do ex-ministro e empresário Luiz Fernando Furlan que Moro não pode andar pela Quinta Avenida sem ser abordado pelo "trabalho icônico" que ele vem fazendo na Lava Jato.

Essa é sua terceira viagem ao país neste ano. "O STF tomou decisões importantes para a melhora do quadro institucional no País", disse. As punições foram direcionadas a executivos de empresas e também a políticos do PT, PTB e PMDB. "Roosevelt falou que é uma honra para a nação no combate à corrupção". "Presumo que este prêmio significa que o setor privado, em geral, apoia o movimento anticorrupção brasileiro e isso, com certeza, faz uma grande diferença". Ele apontou que a corrupção como problema estrutural afasta investidores, inclusive estrangeiros, que não querem participar de um "ambiente viciado" nem de concorrências cujo quadro não é claro. "Há pessoas com falta de confiança na democracia, mas não pode haver resposta autoritária", destacou. De acordo com o magistrado, a democracia não está em risco no Brasil. "Digo que o que as construtoras fizeram foi vergonhoso, mas passaram a corrigir seus problemas", apontou Moro.

Comentários