PF entrega laudo sobre sítio

Ajustar Comente Impressão

O documento foi anexado à ação penal em que Lula, atualmente preso em Curitiba, é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O processo investiga se ex-presidente recebeu propina da Odebrecht e da OAS por meio da aquisição e de reformas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, no interior de São Paulo, atribuído a ele.Conforme denúncia do Ministério Público Federal (MPF), as melhorias no imóvel totalizaram pouco mais de R$ 1 milhão.

As informações foram obtidas em uma planilha revelada na delação premiada de Emyr Diniz Costa Junior, engenheiro da empreiteira.

Em resposta à defesa de Lula, sobre se havia lançamentos contábeis nos sistemas referente à obra Aquapolo, que demonstram o consumo dos R$ 700 mil, os peritos confirmaram que os valores saíram da obra "UO011203 -AQUAPOLO".

Ao responder outra pergunta dos advogados de Lula, os peritos afirmam que o caixa de onde saíram os valores utilizados para pagar despesas de custeio da obra no sítio foi abastecido com dinheiro de obras da Petrobras e de outros contratos no Brasil e no exterior.

A obra é a mesma cujo nome aparece nos documentos apresentados pelo engenheiro da Odebrecht à Justiça Federal no Paraná. Os peritos reforçam, no entanto, que não há nada que comprove que o dinheiro foi mesmo direcionado para as obras do sítio. Essa conta faz parte do Caixa Único gerenciado pelo Setor de Operações Estruturadas.

"Não foram encontradas, no contexto da ação penal, até a data de emissão deste laudo, nas pesquisas efetuadas no material examinado (sistema Drousys e sistema MyWebDay) documentos os lançamentos que façam referências a termos tais como Atibaia, Sítio ou Santa Bárbara".

Esse laudo foi produzido por demanda da própria defesa do ex-presidente e desbanca de uma vez por todas a chamada "teoria dos montinhos" - com a qual os advogados alegavam não haver provas de conexão entre o petrolão e a propina da empreiteira ao petista.

A acusação se reportou a 7 contratos específicos da Petrobras, nenhum deles analisado pelo laudo pericial.

"Lula jamais solicitou ou recebeu qualquer vantagem indevida da Odebrecht ou de qualquer outra empresa".

A perícia da PF que relaciona os valores desviados da Petrobras ao caixa geral de propinas da Odebrecht que, dizem os delatores, custeou as obras no Sítio Santa Bárbara, vem à tona três semanas depois de a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) tirar do juiz federal Sergio Moro as delações premiadas de executivos da empreiteira que citavam as supostas propinas pagas a Lula por meio das reformas na propriedade.

Comentários